O jornalismo morreu

título alterado: 6/04

O surto do novo corona virus que esta a deixar todo o mundo num caos terá como umas das suas principais vitimas os Main Stream Media, nomeadamente a impressa liberal e globalista nos EUA e na Europa, aquela mesma que cresceu durante os auspícios de Obama e da integração europeia.

Assinatura do Tratado de Lisboa 2007

Os jornalistas, comentadores, opinion makers e activistas de medias como a CNN, BBC, Sic, Publico recusam compreender que o mundo mudou, a eleição de Trump marca o inicio de uma nova Ordem Mundial, caracterizada por uma politica isolacionista e proteccionista, uma regressão sobre a economia global e liberal dos últimos anos. Uma das razões para isto, hoje parece óbvia, o crescente aumento do poder da China e a sua posição na base da Supply Chain mundial como principal manufactor e abastecedor, um risco que os EUA e a UE dolorosamente não conseguem evitar com a falta de material básico de proteção nos mostra.

Noutra vertente temos o Brexit, o projecto demente, nacionalista e xenófobo de Boris Jonhson e Nigel Farage, que segundo a impressa, conquistou a alma dos britânicos graças a anúncios do Facebook, os mesmo britânicos que deram uma maioria esmagadora a Boris, retratado como nada menos do que um palhaço demagogo.

Boris e Nigel Farage

A União Europeia era um projecto solido, a resistência da Europa contra os devaneios de Trump, a salvaguarda da Liberdade e da Democracia, a mesma Europa que catalogou as criticas a sua atuação como sendo vozes da extrema direita, a mesma Europa que diabolizou o Grupo de Visegrado, a mesa Europa que hoje esta fechada a sete chaves e enfrenta uma crise sem precedentes que afecta a sua própria existência.

Podiamos esperar que parte impressa nos dias de hoje fizesse um mea culpa e pelo menos explorasse as contradições e os erros que tem acompanhado esta crise de uma forma mais objectiva, mas não.

Tweets do WP

A impressa, os MSM, continuam com o seu tribalismo e completa falta de vergonha:

  • Quem põem em causa os números e actuação do governo Chinês na gestão da crise?
  • Quem critica as contradições e as falhas da OMS?
  • Quem explica os números catastróficos dos casos de Itália e especialmente Espanha? Comparando por exemplo com os valores da Hungria ou Polónia?
  • Quem explica a negligencia e incompetência dos lideres Europeus na coordenação no combate ao vírus?

Claro que não, a impressa, não são repórteres, são activistas.

No EUA os MSM ocupam o lugar vazio deixado pelos democratas e tornaram’se neles mesmo na principal oposição a Donal Trump, na Europa a impressa é o cavalo de batalha da UE e da defesa dos “valores europeus”, e do mesmo modo da burocracia e do cinismos de Bruxelas.

Mas estes são tempos de crise, o dinheiro vai faltar nos bolsos dos norte americanos e dos europeus, e estes estão verdadeiramente cansados e descontentes, para eles os EUA de Obama e a velha Europa são tempos passados.

A CNN e companhia arriscas a tornar-se num canal de terias das conspiração , o Publico em Portugal numa novo Jornal do Avante.